Notícias



Custos da indústria brasileira sobem 8,8%, informa CNI


Data: 15 de março de 2019
Crédito: Agência CNI
Fotos: José Paulo Lacerda - Agência CNI

Pressionados pelos aumentos da energia e dos preços dos bens intermediários, os custos da indústria brasileira subiram 8,8% em 2018 frente a 2017. Foi a maior alta registrada desde o início da série em 2006, informa o Indicador de Custos Industriais, divulgado nesta sexta-feira, 15 de março, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Enquanto os custos subiram 8,8%, os preços dos produtos industrializados aumentaram 8,4%, conforme o Índice de Preços de Manufaturados Domésticos (IPA-Indústria de Transformação), medido pela Fundação Getúlio Vargas. Isso mostra que a indústria reduziu sua margem de lucro pois enfrentou dificuldades para repassar o aumento de custos aos consumidores.

 

O Indicador de Custos Industriais é formado pelos índices de custo tributário, de custo com capital de giro e com custo de produção. O único componente do indicador que caiu no ano passado foi o custo com capital de giro, que recuou 15,5% em relação a 2017. O índice de custo tributário subiu 3,6% e o de produção aumentou 10,9% em 2018 na comparação com 2017.

 

O índice de custo de produção é composto pelos índices de custos com pessoal, energia e bens intermediários (insumos e matérias-primas utilizados na fabricação de um produto). O campeão dos aumentos no ano passado foi o custo com energia, que subiu 18,2% em relação a 2017. “Foi o segundo maior aumento da série iniciada em 2006, atrás apenas do aumento de 41,3% verificado em 2015”, diz o estudo da CNI. A energia elétrica subiu 12,8% e o óleo combustível aumentou 41,3% no período.

 

Os custos de produção também foram impulsionados pela alta de 13,4% nos custos com bens intermediários. O custo com intermediários domésticos subiu 11,9%, o maior da série histórica, que começou em 2006. Na avaliação da CNI, além da elevação dos custos com energia, a greve dos caminhoneiros, a tabela de preço mínimo dos fretes rodoviários e a alta de 22,3% nos insumos e matérias-primas importados também contribuíram para o aumento dos bens intermediários. O aumento dos custos com bens intermediários importados é resultado da desvalorização do real frente ao dólar ao longo de 2018.

 

CÂMBIO E COMPETITIVIDADE - Entretanto, a desvalorização do real ajudou a melhorar a competitividade dos produtos brasileiros. Isso porque, enquanto os custos da indústria nacional cresceram 8,8%, o preço dos manufaturados importados aumentou 22,5% em reais na comparação com a média de 2017. A indústria brasileira também ganhou competividade no mercado externo, pois os preços dos produtos manufaturados nos Estados Unidos subiram 20,8% no mesmo período em que os custos no Brasil subiram 8,8%. “A redução dos custos industriais é essencial para melhorar a competitividade da indústria brasileira no longo prazo, sem depender de desvalorização cambial”, diz a economista da CNI Maria Carolina Marques.

 

A CNI destaca que a desvalorização do real tem dois efeitos sobre a competividade brasileira.  No curto prazo, há um impacto positivo porque a valorização do dólar encarece os produtos estrangeiros. No médio prazo, o impacto é negativo pois o dólar mais caro eleva os custos da indústria com insumos e matérias-primas importadas, o que acaba elevando os custos do produto nacional.

 

Use Ctrl + nº da tecla

Ctrl + 1 (menu) Ctrl + 2 (conteúdo) Ctrl+ 3 (busca) Ctrl + 4 (Rodapé) Ctrl + 5 (mapa) Ctrl + 0 (acessibilidade)



Original

Contraste